Valtra se prepara para o crescimento do mercado agrícola de 2017

O crescimento do mercado agrícola em 2017 deve impulsionar uma renovação de frota no setor canavieiro. Com isso, a Valtra já está se preparando para tal acontecimento.

Por conta do clima mais favorável, custos estáveis, aumento da demanda chinesa, réditos para investimentos e a retomada da confiança do produtor rural, são esperados um aumento de 24% na renda agrícola do país, cerca de R$ 494 bilhões.

Vendo todo esse cenário, a marca quer aumentar ainda mais a sua participação no meio através da sua colhedora de cana BE1035e. As expectativas geradas através de uma recuperação gradual no mercado canavieiro mostram que usar esse mercado como potencial faz a Valtra querer grandes resultados.

Veja alguns números esperados para a próxima safra:

-650 milhões de toneladas produzidas de cana-de-açúcar
-134 ATR (açúcar total recuperável) por tonelada e um salto de 21% no potencial da biomassa para consumo energético do País até 2024, saltando dos atuais 4% para 25% do total, segundo a Unica (União das Indústrias de Cana-de-Açúcar).

Como o mercado canavieiro precisa sempre renovar a sua frota, é necessário o pensamento no futuro, sendo que a partir de 2018 podemos ter um crescimento significativo no setor sucroalcooleiro.

“Muitos clientes que adiaram os investimentos em renovação por conta das dificuldades nos últimos anos já iniciaram o planejamento, e alguns já estão confirmando os pedidos para a próxima safra”, declarou Marco Antônio Gobesso, gerente de marketing de produto cana-de-açúcar da AGCO.

Gobesso destaca ainda a certa “independência” do crescimento na compra de máquinas agrícolas em relação ao desempenho da próxima safra: “O produtor rural compra máquinas por dois motivos: ou porque aumentou a área de plantio ou porque a máquina alcançou o limite. Em 2017, apesar de não ser esperado um crescimento significativo da safra, existe a necessidade de renovação da frota envelhecida. Temos clientes que deixaram de renovar o maquinário por conta da baixa remuneração, e agora que eles estão com a remuneração melhor, a ideia é renovar a frota independente do crescimento no próximo ano”.